Pular para o conteúdo principal

Postagens

Palavras jogadas ao vento...

Não é de hoje que eu questiono o conteúdo escolhido pela escola para "informar e formar" nossos filhos. Mas confesso que quando minhas filhas pedem ajuda em alguma tarefa é que uma revolta me domina e me culpo por não tirá-las da escola.

A lição de hoje era responder algumas perguntas sobre um texto que discorria sobre a época de 1900, imigrantes, promessas dos fazendeiros, condições de trabalho etc.

Um assunto super pertinente num momento de quebras dos direitos trabalhistas, reforma previdenciária e demais "ajustes".

Mas a criança acabou de fazer 10 anos, está na 5a. série.
Que maturidade e interesse ela possui para aproveitar algo deste conteúdo além de apenas decorar para responder certo na prova?

Ter acesso a informação e assimilar conteúdos é uma ferramenta para ações de qualidade.
Um monte de dados amontoados que não me servem para produzir qualidade de vida, me servem para que?

Acredito sinceramente que nossas crianças possuem milhares de outros desafios s…

Enquanto nos distraímos com o que ainda não é, deixamos de aproveitar o que já é

Hoje assisti o vídeo da Jout jout lendo e interpretando o livro “A parte que falta”. Ela se emocionou e eu junto. Logo na sequência Ouvi um texto narrado por uma voz metálica, computadorizada, que tirava o brilho de seu conteúdo, então resolvi escrever aqui para todos nós.


Ambos me despertaram para o nada. Aquele que nos preenche de tamanha plenitude que fica quase impossível explicar em palavras. Então sentei na espreguiçadeira, sob o sol e nada. Levantei com uma energia que não sei de onde vinha. Realizei em uma hora o que facilmente poderia ter me consumido semanas. Mais uma vez sentei. Agora na varanda recém-nascida, diante da exuberância da floresta e meus olhos começaram a enxergar o que antes parecia nem estar ali. Nem os pernilongos me acharam. Foi muito lindo.
A prosperidade é um estado de plenitude. De gratidão pelo que se é, percebe, sente, interage e compartilha. Não está diretamente relacionado com dinheiro, mas sim com abundância de bem estar. Bem estar só ou acompanhado.
É clar…

Inadmissível

Estive em ambientes onde inadmissível era ter um mesmo lençol na cama por mais de um dia. Uma roupa manchada, meio gasta ou fora da moda. Comer de boca aberta ou fazendo sons. Insistir em pular (não comer), uma das 3 ou 4 refeições do dia.

Então me deparei com realidades completamente diversas e observando conclui que inadmissível nem existia por ali.

Pareciam universos paralelos.
3 refeições por dia era um luxo de poucos.
Lençóis? Para que servem?
Nunca fui a uma loja de roupas ou sapatos, a maioria das coisas que temos aqui foram doadas por algum conhecido...

Como esta criança consegue passar o dia todo sentada neste sofá feito uma estátua? Resposta: ela está acostumada a vir para o trabalho comigo.

Inadmissível para mim ganhou uma conotação bem diferente.
Inadmissível passou a ser gerar um filho em nosso ventre e depois não estar com ele a maior parte da vida, principalmente nos anos que mais precisam de nós. Inadmissível entregá-los nas mãos de uma escola que os entope de vergonh…

Existem porquês?

Sim. Eu acredito que para tudo existe um porquê.
Nem sempre conseguiremos encontrar qual é. Algumas vezes nem vamos querer usar nosso tempo nisso. Mas dizer que não existem é perder uma parte grande da história.

Quem se habilita a pensar nesta questão e entender os porquês de cada uma de nossas escolhas segue mais consciente de si mesmo e vislumbra mais possibilidades.

Conseguir ver mais possibilidades aumenta nossas opções de escolha, de ação e de resultados.

Quando nosso movimento parece não combinar com o que havíamos desenhado para ser é porque existem alguns porquês ocultos a nossa consciência interferindo em nossas ações.

Como quando planejamos fazer academia ou melhorar a alimentação mas na prática nada disso acontece de verdade. Quando escolhemos ser mais gentis com as outras pessoas, ou guardar dinheiro para as emergências ou, ou, ou e na realidade nada se faz por mais dolorido que sejam os resultados de não ter feito como planejado.

Por que?
Por isso mesmo. Porque existem g…

Segundo tempo

?
Isso mesmo, segundo tempo e pode ter até prorrogação.

Até os 50 vou chamar de primeiro tempo. Dos 51 até os 75, segundo tempo. Depois disso, vamos combinar, já é prorrogação.

O segundo tempo tem apenas metade dos segundos do primeiro porque alguns de nós já conseguem aproveitar em dobro, face às liberdades e experiências acumuladas.

Claro que tem os que adoeceram fisicamente, muito provavelmente porque desistiram dos próprios sonhos pelo caminho ou lutaram com tamanha bravura que foram perdendo algumas partes de si mesmo.

Entendo que este percurso doloroso foi fortemente incentivado por nossa sociedade (mídia, família, amigos, escola, religião, empregadores…) e acredito que está perdendo sua força a cada dia.

Então gostaria de convidar a todos para que neste Janeiro revejam o percurso que seguiram até aqui. Informem-se mais. A internet nos trouxe bem mais que WhatsApp e Facebook. É uma fonte inesgotável de informação, facilmente verificável quanto sua procedência e veracidade, compl…

Nada contra?

Tudo bem, não tenho nada contra poliedros e relação de Euler, mas diga ai, se você já frequentou escola já aprendeu sobre isso.

Você lembra?
Ainda sabe o que é, para que serve e como se usa?

Qual sua idade?
Quantas vezes você usou isso até agora?

Qual é a lógica de manter minhas filhas na escola para aprender coisas que não possuem a menor utilidade prática durante a vida inteira delas?

Não seria muito mais efetivo passar o tempo de escola aprendendo coisas mais interessantes para cada faixa etária? Se sim, quem mais poderia dizer quais são elas que a própria criança?

Eu? Lavar louça ou a própria meia seria ótimo. O pai? Trocar uma lâmpada ou consertar a pia pingando pode ser interessante. Mas vamos lá, qualquer outra informação que não seja colocada em uso regular ou frequente vai virar lixo em muito pouco tempo.

Muito pouco do que aprendemos na escola e que ainda é ensinado tem utilidade para além de tirar boas notas, parecer o gostosão sabe tudo ou ter "vantagens" pelo tí…

O mundo é cruel?

Cansei de ouvir isso.
Alguns (muitos) filmes, novelas, grupos sociais, famílias, igrejas e até escolas pregam que o mundo é cruel. Que é preciso ser forte, valente, corajoso, destemido, aguentar o tranco... reagir a isso para conseguir sobreviver.

Você também acredita nisso?

Eu acredito que pessoas cruéis se relacionam com o mundo de maneira cruel. O mundo não é cruel a não ser para, com e entre elas. Aliás entendo que a grande maioria delas nem é cruel, é apenas alguém apavorado tentando se proteger como consegue, conhece, entende (foi ensinado).

Neste sentido, existem muitos mundos coexistindo.
Em qual deles queremos estar?
Qual estamos ajudando a criar e manter?

Esqueça o resto das pessoas... como você tem sido?

O que entregamos ao mundo é o que ele nos devolve.
Se nossa colheita está ruim, passou da hora de nos ocuparmos mais com a semeadura.

Cada pensamento, sentimento, palavra e ação que permitimos existir em nós está se combinando e tecendo nossa vida a sua imagem e semelhança.