Pular para o conteúdo principal

o tempo

Definitivamente o tempo enlouqueceu...

Não, eu não estou falando da temperatura, do aquecimento global, nada disso.
Falo das horas do meu dia, dos meus dias, semanas, meses...

Não sei se porque estamos próximos ao fim do mundo (é o que dizem, não sei se acredito, mas isso é outra história), se porque cheguei aos 40 anos, ou se é o fato de trabalhar mais de 14 horas/dia num computador (e, temporariamente, é claro) estar sem dinheiro para pagar as contas, ao mesmo tempo em que crio um filho de 14, uma garotinha de 2 anos e meio e uma bebê de 6 meses...

Independente do motivo o fato é que não percebo o tempo passando...

Quer uns exemplos:

  1. Dia 21 postei aqui durante a madrugada... no final da tarde tinha mais assunto, porém resolvi guardar para o dia seguinte, postagens diárias são a minha meta. Porém já estamos em 23 e eu simplesmente não ví 22 passar. E olha que até em reunião com o prefeito da cidade eu participei no dia 22.
  2. Minha pequena nasceu outro dia, ainda "sinto" as dores do parto, vejo a cena em minha cabeça, como num filme, do momento em que liguei para os bombeiros para virem me buscar pois o carro velho que comprei especialmente para me atender nestes momentos do pré e pós parto estava quebrado. Adivinhem... ela completa 6 meses dia 29 agora.
  3. Estou casada com meu maridinho, vivendo 24 horas por dia junto, um dependendo do outro já há uns 4 anos e conseguimos sentir saudades numa separação de 2 ou 3 horas. Nos sentimos enamorados como nos primeiros dias, beijamos na boca e sentimos orgulho um do outro. Isto não é normal... pelo menos nunca ví acontecer comigo nem com ninguém próximo de mim o suficiente para eu prestar testemunho em juízo (hahahah).

e por aí vai...

As vezes sinto que meu dia de trabalho, para render o mínimo necessário, precisaria de 48 horas.

Dá licença... meu maridinho chegou da escola,

beijos

Postagens mais visitadas deste blog

Condicionamentos e Padrões de comportamento

Fantástico, recomendadíssimo!!!
Assistindo um hangout hoje, do Recalculando a Rota aprendi mais que a soma de muitos livros, filmes ou experiências de vida que já tive oportunidade de ter contato até agora. Tudo bem resumidinho, direto ao ponto, recheado de "pulos do gato".


Considere substituir a palavra Universo por outra que se sinta mais confortável. Deus, Senhor do Mundo, Anjos... seja lá qual for a Fonte Maior que entenda como poderosa ou capaz o suficiente de fazer mais por você que você mesmo.

Segue um resuminho do que (penso que) aprendi:
Vamos perguntar porque agimos da maneira que agimos?
Existem diversos condicionamentos, ou padrões de comportamento que adquirirmos durante nossa vida em função dos acontecimentos a nossa volta.
Por exemplo:  Estávamos aprendendo algo (dirigir, nadar, cavalgar...) e fomos expostos a uma reação grosseira e exagerada de quem estava próximo (por algum erro cometido por nós) e então adquirimos um padrão de querer ser perfeitos para nao p…

Quando você muda o modo de observar as coisas, as coisas mudam

Frase


O amor é a solução. 
 "Existem três tipos de pessoas: as que deixam acontecer, as que fazem acontecer e as que perguntam o que aconteceu." (John Richardson Jr.). 
"Não devemos ter medo dos confrontos. Até os planetas se chocam e do caos nascem as estrelas." (Charles Chaplin).


Sou uma metamorfose ambulante...

CROSSROADS: Dores de Parto de Uma Nova Visão Mundial - Completo HD

2013

o uso de antidepressivos disparou 400% nos últimos anos

perguntas poderosas

what's the best things that happened to you in the last month

Qual foi a melhor coisa que aconteceu com você no último mês?

what really brings you joy

O que realmente te traz prazer?

what gives you meaning in life

O que te dá significado na vida?

aos 29:44 do vídeo
Numa resposta rápida diríamos que para ser mais feliz precisamos apenas de mais dinheiro...
Mas se respondermos sinceramente sobre quais foram nossas melhores experiências no mês passado diremos que estão relacionadas com outras pessoas, não com quaisquer posses.

Isso transparece que intuitivamente sabemos o que realmente nos traz alegria e felicidade, mas às vezes nos permitimos iludir pelo ambiente ou pela mídia.