Pular para o conteúdo principal

Superior Cursando


Uma mulher foi renovar a sua carta de condução.
Pediram-lhe para informar qual era a sua profissão.
Ela hesitou, sem saber bem como se classificar.
"O que eu pergunto é se tem um trabalho", insistiu o funcionário.
"Claro que tenho um trabalho", exclamou . "Sou mãe".
"Nós não consideramos 'mãe' trabalho. Vou colocar Dona de Casa", disse o funcionário friamente.
Não voltei a lembrar-me desta história até o dia em que me encontrei em situação idêntica. A pessoa que me atendeu era obviamente uma funcionária de carreira, segura, eficiente, dona da situação.
"Qual é a sua ocupação?" Perguntou.
Não sei o que me fez dizer isto; as palavras simplesmente saltaram-me da boca para fora:
"Sou Doutora em Desenvolvimento Infantil e em Relações Humanas."
A funcionária fez uma pausa, a caneta de tinta permanente a apontar para o ar, e olhou-me como quem diz que não ouviu bem. Eu repeti pausadamente, enfatizando as palavras mais significativas.
Então reparei, maravilhada, como ela ia escrevendo, com tinta preta, no questionário oficial.
"Posso perguntar", disse-me ela com novo interesse - "O que é que faz exactamente?
Calmamente, sem qualquer traço de agitação na voz, ouviu-me responder:
"Desenvolvo um programa a longo prazo (qualquer mãe faz isso) em laboratório e no campo experimental (normalmente eu teria dito dentro e fora de casa). Sou responsável por uma equipe (minha família), e já recebi quatro projectos (todas meninas). Trabalho em regime de dedicação exclusiva (alguma mulher discorda?), o grau de exigência é em nível de 14 horas por dia (para não dizer 24 horas).
Houve um crescente tom de respeito na voz da funcionária que acabou de preencher o formulário, se levantou, e pessoalmente me abriu a porta.
Quando cheguei a casa, com o título da minha carteira erguido, fui recebida pela minha equipe: uma com 13 anos, outra com 7 e outra com 3 anos.
Do andar de cima, pude ouvir o meu novo experimento (um bebé de seis meses), testando uma nova tonalidade de voz.
Senti-me triunfante!
Maternidade... Que carreira gloriosa!
Assim, as avós deviam ser chamadas - "Doutoras-Sênior em
Desenvolvimento Infantil e em Relações Humanas".
As bisavós: "Doutoras-Executivas-Sênior".
E as tias: "Doutoras-Assistentes".
Uma homenagem carinhosa a todas as mulheres, mães, esposas, amigas, companheiras - Doutoras na Arte de fazer a vida melhor.



OBS.: desculpem, não conheço a autora, mas certamente que TODAS nós mulheres assinamos em baixo ! rsrs

Postagens mais visitadas deste blog

Condicionamentos e Padrões de comportamento

Fantástico, recomendadíssimo!!!
Assistindo um hangout hoje, do Recalculando a Rota aprendi mais que a soma de muitos livros, filmes ou experiências de vida que já tive oportunidade de ter contato até agora. Tudo bem resumidinho, direto ao ponto, recheado de "pulos do gato".


Considere substituir a palavra Universo por outra que se sinta mais confortável. Deus, Senhor do Mundo, Anjos... seja lá qual for a Fonte Maior que entenda como poderosa ou capaz o suficiente de fazer mais por você que você mesmo.

Segue um resuminho do que (penso que) aprendi:
Vamos perguntar porque agimos da maneira que agimos?
Existem diversos condicionamentos, ou padrões de comportamento que adquirirmos durante nossa vida em função dos acontecimentos a nossa volta.
Por exemplo:  Estávamos aprendendo algo (dirigir, nadar, cavalgar...) e fomos expostos a uma reação grosseira e exagerada de quem estava próximo (por algum erro cometido por nós) e então adquirimos um padrão de querer ser perfeitos para nao p…

Quando você muda o modo de observar as coisas, as coisas mudam

Frase


O amor é a solução. 
 "Existem três tipos de pessoas: as que deixam acontecer, as que fazem acontecer e as que perguntam o que aconteceu." (John Richardson Jr.). 
"Não devemos ter medo dos confrontos. Até os planetas se chocam e do caos nascem as estrelas." (Charles Chaplin).


Sou uma metamorfose ambulante...

Enquanto nos distraímos com o que ainda não é, deixamos de aproveitar o que já é

Hoje assisti o vídeo da Jout jout lendo e interpretando o livro “A parte que falta”. Ela se emocionou e eu junto. Logo na sequência Ouvi um texto narrado por uma voz metálica, computadorizada, que tirava o brilho de seu conteúdo, então resolvi escrever aqui para todos nós.


Ambos me despertaram para o nada. Aquele que nos preenche de tamanha plenitude que fica quase impossível explicar em palavras. Então sentei na espreguiçadeira, sob o sol e nada. Levantei com uma energia que não sei de onde vinha. Realizei em uma hora o que facilmente poderia ter me consumido semanas. Mais uma vez sentei. Agora na varanda recém-nascida, diante da exuberância da floresta e meus olhos começaram a enxergar o que antes parecia nem estar ali. Nem os pernilongos me acharam. Foi muito lindo.
A prosperidade é um estado de plenitude. De gratidão pelo que se é, percebe, sente, interage e compartilha. Não está diretamente relacionado com dinheiro, mas sim com abundância de bem estar. Bem estar só ou acompanhado.
É clar…