Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Julho, 2013

Você sabia disso? Se é mentira, por favor, comente!

Imperdível: verdadeiro show de Evo Morales na Europa!!!

Presidente boliviano intima Chefes de Estado europeus a quitarem a dívida estratosférica que a Europa possui com a América Latina.

Com linguagem simples, que era transmitida em tradução simultânea a mais de uma centena de Chefes de Estado e dignitários da Comunidade Européia, o Presidente Evo Morales conseguiu inquietar sua audiência quando disse:

"Aqui eu, Evo Morales, vim encontrar aqueles que participam da reunião.

Aqui eu, descendente dos que povoaram a América há quarenta mil anos, vim encontrar os que a encontraram há somente quinhentos anos.

Aqui pois, nos encontramos todos. Sabemos o que somos, e é o bastante. Nunca pretendemos outra coisa.

O irmão aduaneiro europeu me pede papel escrito com visto para poder descobrir aos que me descobriram. O irmão usurário europeu me pede o pagamento de uma dívida contraída por Judas, a quem nunca autorizei a vender-me.

O irmão rábula europeu me explica que toda dívida se paga com bens…

Uma sugestão assustadora

Olá Carlos, entendo seu ponto de vista e percebo que sua visão procura incluir os 2 lados da moeda "...Diminuir jornada é um pedido que agrada qualquer trabalhador, mas precisamos de ter uma politica industrial de primeiro mundo também. "Se matarmos a galinha não teremos mais ovos"...".

Vou me atrever numa sugestão um tanto quanto "assustadora" para um dos lados, mas o susto pode ser rápido rsrsrs.

Minha sugestão é fixar um salário mínimo digno, aquele que cobre moradia + alimentação + saúde, transporte, educação, água, luz, internet... inclui roupas, produtos de limpeza e higiêne, um cineminha de vez em quando... um básico acima da linha da pobreza. Algo como R$3.000,00 / por mês de 30 dias úteis, numa uma jornada de apenas 3 horas diárias. Para literalmente TODAS as profissões. Do lixeiro ao governador, diretor...

Não tem hora paga sem trabalho, nem sábado, domingo ou feriado. Não sei como resolver as doenças, mas quem sabe alguma seguradora saiba.

Quem…

Até onde nos manteremos hipócritas?

Negro, provavelmente para lá da idade considerada para novas contratações, discurso simples, cheio de erros de português, transparecendo certa ingenuidade e grande tranquilidade para se posicionar. Possivelmente um discurso sincero e íntegro, basta prestar um pouquinho de atenção.

Quem é você? Quem sou eu? Quem é ele? Quem somos nós?

Somos...

Nossa sapiência na língua materna?
Ou seremos nossa fluência em mais outras línguas?
Seremos nós a cor de nossa pele? Nossa idade?
Quem sabe somos os diplomas que carregamos.
Ou então as roupas que vestimos e o carro que possuímos.

Seremos nós o quanto estudamos, moramos, construímos, destruímos, colaboramos?
Seremos a propaganda ou o estereótipo que nossa "imagem" projeta?

Não, nós não somos SÓ o que aparece externamente.
Somos muito mais e principalmente o que carregamos dentro de nós desde o nascimento.

Penso que somos o que sentimos.
O que fazemos e deixamos de fazer.
O que pensamos, acreditamos e construímos de efêmero e sutil,
mui…

Renascer

Amo este universo de possibilidades infinitas da TI... todos estaremos em eterno processo de aprendizado.

Na minha opinião este é o grande gargalo no sistema educacional HOJE.
Nós professores precisamos romper com o estereótipo do "SEI", portanto posso ensinar, ser professor.  Já o aluno, este não sabe, veio aqui aprender.

Quando nossa escola virar a própria mesa para um modelo não hierarquizado. Admitir que somos TODOS ignorantes, só que em assuntos diferentes. E. Aceitar um espaço escolar de aprendizado mútuo e compartilhado, distribuído e não obrigatório. Apenas possível, disponível.
Neste momento estaremos reinventando nossa escola e o processo de aprender. 

Eu estou bem...

Eu estou bem, não tenho dores,
não estou doente.
Em volta de mim os meus amores,
gente feliz, saudável, contente.

Tem contas para pagar,
roupas para lavar,
acabou o sabão,
quebrou o fogão.

Coisas da vida de qualquer um
Sejamos ricos ou pobres
Ignorantes ou letrados
Nobres ou bastardos

As vezes tem vírgula,
as vezes não.
Nem sempre tem ponto final
ou maiúscula na inicial.

Não estou tirando a importância da constância,
só abrindo a possibilidade
para aceitarmos melhor a diversidade
para percebermos mais, que nada é imutável
e apesar disso continua saudável
e ainda assim faz parte da vida

Nada é intrinsecamente mau.
Somos, as vezes, ou estamos mais do que gostaríamos....
No entanto logo vem a próxima esquina,
sempre será um bom momento para virar

SEMPRE existe uma saída,
todos temos escolha
ainda que por vezes nos falte força
ou uma mão amiga pra empurrar

Marcia Sisi

Engenharia Reversa - rearranjos

Somos diferentes.

Enquanto uns amam dormir até tarde, outros só sentem-se bem aproveitando as primeiras horas da manhã.

Uns adoram a organização e a previsão, outros o caos e a aventura imprevisível.

O que me faz feliz não é o mesmo para você.


Então...


Que tal uma solução totalmente diferente?


Não temos todos que acordar cedo e sair para o trabalho, nem teremos todos que buscar a riqueza financeira e então discriminar os que não a alcançaram. Nem todos estudarmos e então acreditarmos que quem não estudou é menor que nós, ou menos potente.


Nas salas de jardim da infância de todo o mundo podemos perceber algumas características comportamentais básicas, comuns, em maior ou menor grau, entre 0 e 5 anos. Independente de raça, credo, religião, classe social. Alguém não sabe disso?





SE todos sabemos, porque continuamos ignorando?





Porque continuamos a criar as diferenças discriminatórias ao invés de aceitá-las, respeitá-las E, o que é o melhor, tirarmos proveito delas?


Eu tenho algumas sugest…