Pular para o conteúdo principal

Estranha normalidade

Eu acho impressionante como aderimos a determinadas regras/comportamentos como se realmente fossem coerentes. Apesar de aceitos como "normais" não é preciso muito para conseguir questiona-los.

Vou me ater aqui apenas aos direitos que se tornam obrigações.

Seguro Obrigatório dispensa comentários.

Mas vale comentar sobre o direito a educação e o direito de votar.

Em algum ponto do tempo nossas sociedades entenderam que deveriam garantir o nosso direito a isso, no momento seguinte nos impuseram a obrigação de usufruir este direito.

???

Por maiores e melhores que tenham sido as justificativas que já li ou ouvi, nenhuma delas me convenceu plenamente que algo criado para meu direito ou proteção possa transformar-se em uma "prisão" por sua obrigatoriedade.

Até hoje me pergunto como nos convenceram a aceitar o cinto de segurança e o capacete como itens de uso obrigatório. Expandindo só um pouquinho o alcance da ideia chego facilmente a conclusão que se acham no direito de me impedir de morrer.

?

O que seria bizarro quando o normal parece tão absurdo quanto permitir a exibição de corpos semi nus no carnaval da televisão mas se achar no direito de me prender por atentado ao pudor se eu quiser me vestir de índia? Ou mostrar desastres, mortes, intrigas, corrupção e violência 90% do tempo dos noticiários, mas ocultar quase 100% de tudo de bom que está acontecendo no mundo o tempo todo? Ou proibir os filhos de trazer seus pares e transar na casa dos pais, mesmo sabendo que vão acabar fazendo isso quem sabe até num cantinho escuro qualquer onde estão completamente a mercê de vândalos e outros riscos?

?

Entre todos os absurdos da dita normalidade, um dos que mais me intriga é aquele que nos convenceu de que normal e aceitável é tudo aquilo que nos coloca em formas. Coibindo a criatividade, a abundância e todas as demais possibilidades.

Postagens mais visitadas deste blog

Quando você muda o modo de observar as coisas, as coisas mudam

Frase


O amor é a solução. 
 "Existem três tipos de pessoas: as que deixam acontecer, as que fazem acontecer e as que perguntam o que aconteceu." (John Richardson Jr.). 
"Não devemos ter medo dos confrontos. Até os planetas se chocam e do caos nascem as estrelas." (Charles Chaplin).


Sou uma metamorfose ambulante...

Condicionamentos e Padrões de comportamento

Fantástico, recomendadíssimo!!!
Assistindo um hangout hoje, do Recalculando a Rota aprendi mais que a soma de muitos livros, filmes ou experiências de vida que já tive oportunidade de ter contato até agora. Tudo bem resumidinho, direto ao ponto, recheado de "pulos do gato".


Considere substituir a palavra Universo por outra que se sinta mais confortável. Deus, Senhor do Mundo, Anjos... seja lá qual for a Fonte Maior que entenda como poderosa ou capaz o suficiente de fazer mais por você que você mesmo.

Segue um resuminho do que (penso que) aprendi:
Vamos perguntar porque agimos da maneira que agimos?
Existem diversos condicionamentos, ou padrões de comportamento que adquirirmos durante nossa vida em função dos acontecimentos a nossa volta.
Por exemplo:  Estávamos aprendendo algo (dirigir, nadar, cavalgar...) e fomos expostos a uma reação grosseira e exagerada de quem estava próximo (por algum erro cometido por nós) e então adquirimos um padrão de querer ser perfeitos para nao p…

CROSSROADS: Dores de Parto de Uma Nova Visão Mundial - Completo HD

2013

o uso de antidepressivos disparou 400% nos últimos anos

perguntas poderosas

what's the best things that happened to you in the last month

Qual foi a melhor coisa que aconteceu com você no último mês?

what really brings you joy

O que realmente te traz prazer?

what gives you meaning in life

O que te dá significado na vida?

aos 29:44 do vídeo
Numa resposta rápida diríamos que para ser mais feliz precisamos apenas de mais dinheiro...
Mas se respondermos sinceramente sobre quais foram nossas melhores experiências no mês passado diremos que estão relacionadas com outras pessoas, não com quaisquer posses.

Isso transparece que intuitivamente sabemos o que realmente nos traz alegria e felicidade, mas às vezes nos permitimos iludir pelo ambiente ou pela mídia.