Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Janeiro, 2017

Tem dias que sim, tem dias que não

As vezes sou capaz de olhar para minha própria vida e achar que é a mais maravilhosa vida que eu poderia imaginar para mim. Não que eu a tenha imaginado assim, minha criatividade não chegou a tanto. A vida superou minhas próprias expectativas.

Claro que nem sempre percebo isso.

Muitas e muitas vezes me esqueço de quão maravilhosa ela é. Apenas me acostumo com os grandes presentes que recebi ou recebo todos os dias e pronto. Algo muitíssimo especial vira senso comum.

É bem ruim quando isso acontece. Esquecer de agradecer pelo que estou sendo, experimentando, sentindo me torna mais pobre, mais fraca, menos feliz.

Também me incomodo quando me deixo entristecer pelas coisas passageiras. Mesmo sabendo que em pouco tempo algo não terá a menor relevância, me permito chorar, magoar, irritar.

Porém o pior de tudo é passar pelo caos sem colher as pérolas. Acredito nisso não só porque é bem bobo sofrer aquilo tudo e sair de mãos vazias, mas principalmente porque sem colher as pérolas eu provave…

Quando as regras são justas?

Fui convidada para participar de uma reunião num dos conselho da cidade que moro atualmente.


Gostei de ir, foi bom estar lá, conversar com algumas pessoas do mesmo bairro que eu, ouvir suas sugestões. Conhecer algumas pessoas que organizam as coisas como vice prefeito, secretário da pasta etc.


Confesso que saí de lá cheia de ideias, mas no caminho de volta me senti muito incomodada. Me foi MUITO desconfortável saber que uma parcela mínima de pessoas podem adquirir o direito de decidir e intervir na vida de tantas outras (ignorantes até de que existem tais conselhos, as datas e locais que se encontram e mais ainda que decidem suas vidas - quase a portas fechadas).




Alguns destes conselhos tentam por meio de debates entre si e criação de regras (leis), delimitar o que pode ou não, visando o bem comum.




Considerando também que somos muitos e com tantas opiniões e pontos de referência quanto a experiência de vida de cada um, normalmente é bem complicado chegar ao consenso.




Diante de tais fatos…

Um elogio para você!

Elogios são uma maneira de dizer para alguém que ela é alguém especial. Como eu acredito que todos somos muito especiais, de muitas maneiras diferentes, gostaria de elogiar você.

Não pelo que eu consigo ver como especial em você, mas principalmente pelo que você consegue ver de especial em você.

Tenho certeza de que se você não tem pensado muito nisso ultimamente, neste instante vai lembrar. Vai parar um segundo que seja para lembrar que você é especial. Tão especial quanto qualquer outra pessoa com a qual esteja triste, por algo que fez ou disse a você.

Então, já que somos pessoas especiais, vamos agradecer por isso e conversar com doçura para resolver essas pendências entre nós? Vale fazer isso só em pensamento. Não precisa dizer nada.







Quero crer que eu te entendo. 
E que quando não entendo eu te aceito... 
Mas, acima de tudo, que eu te respeito. 
Por favor não me deixe ignorante quando eu desrespeitar você. 
Quero saber que fiz, quando fiz, como fiz... 
Será minha melhor chance de…

Nós somos a maioria

As vezes fico indignada com as notícias.

Entendo que em todas as profissões encontramos escravos do sistema, que antes de serem e se comportarem como seres humanos dignos, se rendem as ordens do patrão.

As vezes até entendo isso... afinal como ser um adulto responsável e digno sem conseguir pagar as contas? Como sobreviver sem nem comer direito? Aliás, isso não me pergunte porque apesar de até ter vivido a experiência não sei explicar como acontece não.

Mas, de todas as profissões (na era da informação) a que parece causar os maiores feitos é a de repórter, jornalista e afins. São neles, espalhados pelas mídias, que a maioria de nós acredita. Suas notícias moldam nossas vidas, nos empurram ou enterram.

Quando tropeço numa poesia (aqui falada) como a que encontrei hoje... me sinto uma estúpida e mal informada. Me sinto ludibriada ao, as vezes, acreditar que tem mais gente má que boa, no mundo.

Não acho que é verdade.

Nós, os que acreditam numa vida digna para todos (sem discriminação),…

Sessão nostalgia

Como é gostoso voltar no tempo (de vez em quando) para matar saudades de coisas boas.
Você não acha?

Falando em achar algo e mergulhar na nostalgia por alguns minutos, olhe isso e me diga, o que você vê?




Bora passear mais um pouco no site de onde esta imagem veio?


http://hidden-3d.com/index.php?id=gallery

Condicionamentos e Padrões de comportamento

Fantástico, recomendadíssimo!!!
Assistindo um hangout hoje, do Recalculando a Rota aprendi mais que a soma de muitos livros, filmes ou experiências de vida que já tive oportunidade de ter contato até agora. Tudo bem resumidinho, direto ao ponto, recheado de "pulos do gato".


Considere substituir a palavra Universo por outra que se sinta mais confortável. Deus, Senhor do Mundo, Anjos... seja lá qual for a Fonte Maior que entenda como poderosa ou capaz o suficiente de fazer mais por você que você mesmo.

Segue um resuminho do que (penso que) aprendi:
Vamos perguntar porque agimos da maneira que agimos?
Existem diversos condicionamentos, ou padrões de comportamento que adquirirmos durante nossa vida em função dos acontecimentos a nossa volta.
Por exemplo:  Estávamos aprendendo algo (dirigir, nadar, cavalgar...) e fomos expostos a uma reação grosseira e exagerada de quem estava próximo (por algum erro cometido por nós) e então adquirimos um padrão de querer ser perfeitos para nao p…

Minha história de Verão

#HISTÓRIADEVERÃO

Minha melhor história de verão é a que estou vivendo neste verão de 2017. Mudei para o paraíso com marido, filhas, gatos e bikes. Aqui na praia de Guaraú, em Peruíbe/SP (um paraíso ecológico, silencioso e aconchegante) estou sentindo a maior liberdade que jamais senti em toda a minha vida.

LÁ VAI

...
De repente uma brisa suave toca meu corpo semi nu

Ao alcance das mãos... será mesmo?

Hoje, assistindo um documentário sobre a indústria química The Human Experiment, seus produtos a venda no mercado sem absolutamente nenhuma comprovação de não ser nocivo a saúde, os grupos que lutam em busca de leis que protejam os humanos e suas grandes e sucessivas derrotas... pensei:


Quantos entre nós já possuem o privilégio de não passar a maior parte do tempo "distraído" apenas com os problemas rotineiros (estudar, trabalhar, comer, pagar contas...) ? Nas palavras de Tiago Berto:  Nas minhas palavras: https://issuu.com/marciacristinasisi/docs/a_revolu____o_rof_crof

Eu diria que poucos. Até mesmo o grupo que já consegue pagar suas contas em dia e ainda fazer 3 refeições diariamente provavelmente está preocupado em guardar alguns tostões para comprar um carro, casa ou rebolando para manter o que já possui funcionando.

Não temos tempo sequer de acompanhar os políticos que nós mesmos elegemos para "organizar" nossa vida em sociedade, que dirá termos tempo para &q…

Primeiro emprego?

Possivelmente a maioria de nós, em algum momento da juventude, foi atrás do primeiro emprego. Muito provavelmente atrás de dinheiro e aceitou o primeiro que apareceu. Eu mesma, me lembro, fui balconista de papelaria por  um tempo.Não tenho certeza se o que me motivou foi ter meu próprio dinheiro ou alguma "pressão familiar" do tipo "está na hora".O fato é: minha motivação poderia ter sido diferente e até ter começado muito antes.Gostaria de acreditar que serei capaz de despertar em minhas filhas a paixão por realizar coisas legais, interessantes, motivadoras. Coisas que tragam a sensação maravilhosa de ser útil a si mesmo, capaz de criar e regozijar-se com a própria realização.Quero crer que por esta estrada a vida pode ser muito maior e mais gratificante. Com mais sentido e cheia de propósito. Repleta de gratidão apenas pela chance de se estar vivo e experimentando a vida das melhores maneiras possíveis: as maneiras que cada um pode escolher para si mesmo.Esta ser…

Uma lição do Super Bonder

Verdade verdadeira as lições a serem aprendidas estão em todos os lugares. É uma questão de olhar, ver e querer enxergar.

Hoje o Super Bonder me relembrou uma lição já dada. Não sei direito se apreendida.

Vamos a ela:
As vezes falta pouco, muito pouco para conseguirmos realizar algo com maestria. Mas por falta de informação, paciência, fé ou qualquer outro motivo, paramos um passo antes de conseguir.

Eu comecei a colar com toda a paciência e entusiasmo de quem estava prestes a realizar um grande feito. Ocorre que eram muitos pontos a serem colados e em algum momento cansei. Comecei a querer ficar menos tempo segurando as partes até a cola secar.

Adivinhem?
Por alguns momentos comecei a me irritar, achando que a cola não estava funcionando. Quem não estava funcionando era eu.
Se eu não estivesse atenta ou nem tivesse a informação de que era preciso um tempo X para funcionar... não ia dar certo.

Um monte de energia desperdiçada para chegar onde eu não queria.


Qual a lição aqui? Informe-…